Monday, February 11, 2008

Chegando em NY.

A famosa e temível imigração era o que me preocupava, mas correu tudo bem. Foram apenas três perguntas, os indicadores esquerdo e direito escaneados e finalmente o tão esperado carimbo no passaporte.
Já na esteira, percebo que os carrinhos que servem para carregar as malas são pagos. Aliás, aqui tudo é pago! Custam três dólares cada um. Você pode pagar em notas de um dólar ou no cartão de crédito.
No meu caso precisei trocar uma nota de cem. Ainda bem que existem funcionários para trocar o dinheiro dos que chegam despreparados.
O transporte é muito eficiente. O Airtrain sai do aeroporto JFK e chega numa das estações centrais de metrô em menos de 20 minutos.
Aqui, o nosso maior inimigo é o frio. Luta-se o tempo inteiro contra ele. Mas os restaurantes, apartamentos, lojas e metrôs são equipados para enfrentar a baixa temperatura. Só se passa frio se quiser.
Nas lojas, o valor das coisas chama atenção. Os eletrônicos são baratíssimos, a comida e a roupa nem se fala. Com menos de 10 dólares você consegue comprar um casaco acolchoado com pena por dentro. Esse é o único que aquece de verdade!
Nova York é uma ótima cidade para se andar à pé, as calçadas são largas e planas. Você com certeza vai andar quinze quarteirões brincando, sem perceber.
O que mais me impressionou foi a segurança. As pessoas andam nas ruas na maior tranquilidade. Muitas delas com celulares,câmeras e laptops. A cidade é bem policiada. Mas isso não quer dizer que você não deva tomar as precauções devidas. Afinal. numa cidade de grande porte, prevenir sempre é bom.
É difícil deixar o velho vício do Brasil onde desconfiamos de tudo e de todos. Ainda checo se a bolsa está fechada, não saio com jóias ou qualquer coisa que chame atenção. Apesar de todo mundo me falar que não há problema algum.
Apesar da fama, as pessoas não são gordas. Aqui, os novaiorquinos andam bastante. Não vale a pena andar de carro, táxi ou ônibus por causa do congestionamento.
E a comida é boa. Os famosos e deliciosos Dunkin Donuts dão água na boca.
Viver na América, como eles dizem, é fácil. Difícil é só administrar as saudades das praias, do povo hospitaleiro, da tapioca e do acarajé do Brasil!

3 comments:

Rita said...

Oi Manu!
Que nótícia boa esse blog! Quando li, me senti chegando na redação e colocando o papo em dia com você e o Clau. Já coloquei nos meus favoritos, assim posso ter notícias suas diariamente. Beijos e aproveite ao máximo!!!!
Rita Lisauskas

Manoela Maia Tobias Granja said...

Que bom que gostou Rita! Espero enriquecer a sua leitura de alguma forma. Sinto saudades de vocês e dos papos na redação.
Vou mandando notícias. E apareça sempre!
Beijão!

Sônia Aragão said...

Olá Manoela,
foi muito bom encontra este relato seu na internet, gostaria de utilizar o seu blog como fonte bibliográfia na finalizaçao de um seminário da faculdade que terei de apresentar dentre de duas semanas. Seu relato sobre o transporte e segurança em Nova Iorque era o que estava faltando na dinâmica do seminário para que ele ficasse pronto. Quanto eu terminar, vou mandar uma cópia para vc por email.

Como vc é uma profissional, uma jornalista, isto torna o trabalho ainda mais sério.

Muito obrigada!